quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Amphi Festival 2010 review - 2ª parte

Blutengel

Blutengel amphi festival 2010 Blutengel amphi festival 2010
Blutengel amphi festival 2010 Blutengel amphi festival 2010
O concerto de Blutengel (Anjo de Sangue) foi uma desilusão. Tornaram-se infelizmente numa banda show-off da cena dark electro internacional. O vocalista, Chris Pohl, não se deu à prestação ou ao público, tendo sido algo monótono o espectáculo, sem qualquer dinamismo. Dava a sensação que se Chris pudesse, cantaria sentado ou encostado o concerto todo. O "set" escolhido a meu ver também não foi o melhor, faltou, por exemplo, a Dancing in the Light.

Eu até curto e bem algumas músicas de Blutengel como a Winter of my life, a qual foi sem dúvida a melhor da setlist. Este concerto, provavelmente resultaria melhor entre portas. Resumindo, este concerto não correspondeu minimamente às expectativas.

Setlist:
1. Behind The Mirror
2. The Oxidising Angel
3. Soul of Ice
4. Winter of My Life
5. Schneekönigin
6. Dreh dich nicht um
7. Vampire Romance
8. Soultaker
9. Bloody Pleasures
10. Love Killer
11. Engelsblut


Funker Vogt
Funker Vogt Amphi Festival 2010 Funker Vogt Amphi Festival 2010
Funker Vogt Amphi Festival 2010 Funker Vogt Amphi Festival 2010
Funker Vogt Amphi Festival 2010
Pessoalmente estava de armas prontas para este concerto e as minhas altas expectativas não foram defraudadas. Os Funker Vogt são compostos por Gerrit Thomas ( produção, teclados) e Jens Kästel (vocalista). Ao vivo tiveram o apoio de Björn Böttcher (teclas) e Frank Schweigert (guitarra). Esta banda formada em 1995 por Gerrit rapidamente se tornou conhecida e contam actualmente com quatro álbuns de estúdio. Por curiosidade refira-se que Funker é a tradução de Operador de Rádio e Vogt, um apelido de um amigo da banda.

Em palco, esta banda tinha apenas duas faixas laterais com a menção da banda. Os Funker Vogt esforçaram-se ao máximo desde o primeiro minuto. As suas músicas são potentes, dançáveis, agressivas e contagiaram o pessoal que se encontrava no recinto “Staatenhaus”. Tiveram vários pontos altos em que o público delirava, nomeadamente com Date of Expiration, Machine Zeit, City of Darkness, Subspace e Tragic Hero. Grandes músicas para se ouvir ao vivo e com milhares de pessoas em êxtase. Um concerto indescritível.

Setlist
1. Child Soldier
2. White Trash
3. Arising Hero
4. Date of Expiration
5. Maschine Zeit
6. City of Darkness
7. Thanatophobia
8. Subspace
9. Gunman
10. Tragic Hero


Cruxshadows
Cruxshadows Amphi Festival 2010 Cruxshadows Amphi Festival 2010
Cruxshadows Amphi Festival 2010 Cruxshadows Amphi Festival 2010
Esta banda dispensa grandes apresentações já que é bem conhecida do público português. A banda foi formada em 1992 na Flórida, Estados Unidos, por Rogue (vocalista), Sean Flannigan e Tim Curry, após o seu primeiro CD em 1996 houve uma mudança no alinhamento. O Portal Gótico já tinha visto esta carismática banda ao vivo em 2007, no Wave Gotik Treffen, cujo concerto nos agradou imenso.

No Amphi Festival falhou em alguns aspectos: havia realmente pouca luz e em várias alturas mal se via o vocalista, o palco era algo pequeno para um equilibrista como o Rogue! O som também não estava nas suas perfeitas condições… mas nada disso demoveu o pessoal de apreciar o concerto, principalmente a partir de Sophia. No entanto, este concerto esteve aquém do do Wave Gothic Treffen, em 2007.

Setlist
1. Quicksilver
2. Immortal
3. Solus
4. Sophia
5. Deception
6. Avalanche
7. Dragonfly
8. Winterborn
9. Happy Birthday
10. Marilyn, my bitterness


Project Pitchfork
Project Pitchfork Amphi Festival 2010 Project Pitchfork Amphi Festival 2010
Project Pitchfork Amphi Festival 2010 Project Pitchfork Amphi Festival 2010
O início dos Project Pitchfork data do ano de 1989. Actualmente, contam já com 15 álbuns editados. A banda é composta por Peter Spilles (vocalista, composição, letras), Dirk Scheuber (teclado), Jürgen Jansen (teclado) e contam com a presença de mais dois elementos ao vivo: Achim Färber (bateria) e Carsten Klatte (guitarra). Refira-se que Peter Spilles encabeça outros side-projects como Imatem e Santa Hates You.

Os Project Pitchfork vêm a Portugal no final deste mês e o Portal Gótico esteve neste concerto já antevendo o concerto que se irá realizar no Festival Entremuralhas, em Leiria. Aos fãs que vão a Leiria: os Project Pitchfork não virão em passeio, eles vêm partir a louça toda. Esta banda estava em casa, e isso notava-se nas demonstrações do público, chegando alguns a colocar as mãos na cabeça. Não me vou adiantar mais para que possam ter a experiência em primeira pessoa no Entremuralhas, mas podem contar com um concerto inesquecível.

Setlist:
1. God Wrote
2. Conjure
3. Timekiller
4. Endless Infinity
5. Carrion
6. Teardrop
7. I Live Your Dream
8. Mine
9. Darkness
10. Souls
11. Steelrose
12. I Am
13. Existence


Anne Clark


Anne Clark Amphi Festival 2010Anne Clark Amphi Festival 2010
Anne Clark Amphi Festival 2010Anne Clark Amphi Festival 2010

Anne Clark é uma grande senhora da música experimentalista e da música narrada dos anos oitenta. O seu primeiro álbum remonta a 1982 e desde então já lançou mais de uma dezena, tendo o seu último álbum sido lançado em 2008, intitulado "The Smallest Acts Of Kindness". Neste último álbum, Anne Clark tem músicas como Full Moon numa sonoridade mais electrónica a fazer lembrar Sara Noxx, mas mais minimalista e downtempo. Na realidade Anne Clark dá-se melhor com o som experimentalista e a Sara Noxx com o electrónico. Duas artistas que parecem algo idênticas mas que estão em áreas completamente distintas.

Confesso que não estive muito atento visualmente a este concerto pois andávamos pelo espaço e íamos ouvindo o som. Qual a razão de ver um concerto quando os elementos estão quase sempre imóveis? Para ouvir e desfrutar do som de Anne Clark, um festival não será o ideal. Ainda assim, as minhas músicas preferidas do set foram Killing Time, The Healing e um final muito bom do concerto com Boy Racing.

Setlist:
1. The Third Meeting
2. Killing Time
3. Echoes Remain For Ever
4. Alarm Call
5. Short Story
6. The Healing
7. Waiting
8. Off Grid
9. Heaven
10. The Haunted Road
11. Seize The Vivid Sky
12. Full Moon
13. Our Darkness
14. Abuse
15. Boy Racing


And One
And One Amphi Festival 2010 And One Amphi Festival 2010
And One Amphi Festival 2010And One Amphi Festival 2010
And One Amphi Festival 2010And One Amphi Festival 2010

Milhares de pessoas estavam para ver And One, eram os cabeça de cartaz e notava-se claramente. Mal entra Steve Naghavi em palco já temos festa com a sua irreverência, simpatia e boa disposição. Tocaram algumas covers como por exemplo TimeKiller dos Project Pitchfork e The Walk dos The Cure. Mas foi com o seu EBM oldschool que captaram a atenção do público com Deutschmaschine e Body Nerv. Refira-se que todos os elementos estavam vestidos com fardas militares e símbolo da bandeira alemã no braço, chegando por várias vezes Steve a marchar em palco enquanto cantava. Gostei muito de ouvir a Scharzwe, Get you Closer e Military Show. Embora não sendo um fervoroso adepto de And One, foi um grande concerto para finalizar um grande dia.

Setlist
1. Die Mitte
2. Deutschmaschine
3. Timekiller (Project Pitchfork - And One Remix)
4. Love to the End
5. High
6. The Sun Always Shines On T.V. (A-HA)
7. Traumfrau
8. Sometimes
9. The Walk (The Cure)
10. Schwarz
11. Over There
12. Steine Sind Steine
13. Body Nerv
14. Military Fashion Show
15. Get You Closer
16. Techno Man
17. Für


Conclusão:
O Amphi Festival é um enorme festival internacional e esta 6ª edição contou com 16.000 pessoas, estando os bilhetes esgotados há já bastante tempo. Reiteramos o nosso agradecimento à organização por todo o apoio prestado, já que tornou possível a cobertura numa altura em que o festival já estava lotado. Por motivos vários e profissionais, o Portal Gótico só pôde estar presente no primeiro dia. Mas, a nosso ver, o espaço é demasiado pequeno para o público presente e não é possível usufruir de tudo: ou se curte os concertos, ou se relaxa na praia, ou se convive, ou se vê as lojas. Não há volta a dar, já que é tudo ao mesmo tempo. A abertura de portas poderia ser efectuada mais cedo e o início dos concertos mais tarde, sendo na nossa opinião talvez necessário haver um terceiro palco para as bandas em cartaz e um espaço maior.
No geral, concluímos que foi uma experiência única e que valeu a pena conhecer, pois é sempre mais uma estrela negra que ficará no portfólio pessoal. Além de tudo isso, este tipo de Festival vale por si só, já que é nestes eventos que nos sentimos em família!

Enviar um comentário

  ©

Back to TOP