domingo, 14 de novembro de 2010

Swans Bio-discografia

Os Swans, surgidos em 1982 nos Estados Unidos e liderados pelo cantor, compositor e multi-instrumentista Michael Gira, estarão em Portugal em 2011 para dois concertos: 9 de Abril na Aula Magna em Lisboa e no dia seguinte, 10 de Abril, na Casa da Música do Porto.
  Biografia

Nos finais dos anos 70 e inícios dos anos 80, o panorama underground musical de Nova Iorque possui um forte dinamismo, e não é à toa que Nova Iorque reclama para si o estatuto de cidade “berço do Rock Underground desde 1973”. Neste panorama musical destaca-se, dentro do estilo No Wave, bandas bem conhecidas como os Sonic Youth, Lyndia Lunch e os Swans pela mão de Michael Gira.

Em entrevista à TLOBF, Michael Gira fala um pouco sobre essa altura:
 How do you feel now about the way that you are intrinsically connected to No Wave?
Well it depends who you talk to. I guess a lot of people would say that we’re post-No Wave. In fact, by the time I moved to New York the No Wave scene was dead. I moved there in ’79.


One of the reasons I moved to New York was because of what you call No Wave; Lydia Lunch, Theoretical Girl, Suicide. All those groups I thought were amazing. Suicide is not No Wave by any stretch of the imagination but they were fantastic...
I was also influenced in the early days of Swans by The Stooges, in their pre-Levis jeans days, in their pre-commercial days.

Os Swans são uma banda sui generis que ao longo da sua história teve inúmeras e distintas fases e sonoridades musicais, do No Wave ao Hardcore, do Experimentalismo, ao Rock Industrial. Mas embora tenha uma profunda diversidade musical é no Post-Punk americano que esta banda realmente se situa em termos de estilos musicais.
Os Swans são assim uma das bandas mais, se não a mais, “camaleónica” e multifacetada que conheço, contando com uma extensa e diversificada discografia. Os primeiros álbuns datam de 1983 e1984, "Filth" e "Cop" respectivamente. Em 1986 junta-se a teclista e vocalista Jarboe que virá a ser juntamente com Gira o núcleo forte da banda. Com Jarboe o som tornou-se mais polido, bem visível no álbum “Greed”, mas mesmo assim foi definido pela crítica como um álbum sinistro e obscuro. Ainda nesse ano (1986), surge “Holy MoNey” que contém pela primeira vez elementos acústicos. “Children Of God” de 87 foi um álbum cheio de polémica por incluir temas de sofrimento, tortura e humilhação a par com imagens religiosas. Michael Gira cansado da reputação pró-noise que a banda vinha tendo, toma a decisão de suavizar o seu som com a introdução de mais elementos acústicos e a inclusão da voz de Jarboe em primeiro plano. Desta decisão resultaram álbuns como “Skin: Blood, Women, Roses” e “World of Skin: Shame, Humility, Revenge”. Em “Skin”, Jarboe assume as vocalizações e em World of Skin as mesmas estão a cargo de Gira, ambos os álbuns caracterizando-se por possuírem músicas melancólicas, calmas, etéreas.
Em 1988 os Swans surpreendem com uma inesperada cover de “Love Will Tear Us Apart” dos Joy Division em que tanto Jarboe como Gira assumem as vocalizações. A cover foi lançada em duas versões no EP homónimo “Love Will Tear Us Apart”(1988), uma de capa preta com voz principal de Jarboe e uma versão de capa vermelha com voz de Gira. Gira viria mais tarde afirmar que o lançamento da sua cover foi um erro, e recusou durante bastante tempo o relançamento da sua versão enquanto a da Jarboe foi relançada bastante mais cedo.

Em 1989, a banda assina acordo com a sua primeira e única grande editora, aUni/MCA Records, lançando o álbum The Burning World com a produção de Bill Laswell, cuja participação Gira declara que não houve qualquer sintonia entre o produtor e a banda. Este álbum caracteriza-se por se aproximar um pouco do Folk e da música do mundo, entrando mais num género Pop. No ano seguinte, em 1990, é lançado o terceiro último álbum de Skin “World of Skin: Ten Songs From the Another World” que obteve menos sucesso que os dois anteriores.
Mas é nos anos 90 que a meu ver surgem uns Swans mais refinados, melancólicos, depressivos, deixando um pouco de lado a sonoridade industrial e enveredando mais nos labirintos de um som mais dark, gótico, principalmente com o álbum White Light From the Mouth of Infinity de 1991. White Light é o melhor álbum da banda e o mais elaborado na modesta opinião deste relator. O álbum arranca com “Better than you” em que, após um leve choro de um bebé, surge uma quebra profunda do som com um brutal, gélido e incrível conjunto de sintetizadores com guitarras à mistura… fantástico. Este é um álbum simplesmente fabuloso, um hino à depressão, aos ambientes soturnos, uma antítese à felicidade. Recomenda-se a audição e o download do álbum já que o mesmo se encontra fora de edição e impossível de comprar por menos de 40/50€.
Love of Life:
“Love will save you from the truth when you think you're free
Love will save you from the cold light of boring reality
Love will save you from the corruption of your lazy-minded soul
And love will save you from your selfish and distorted goals
But it won't save me”


 Com o álbum seguinte Love of Life (1992) e o EP Love Of Life/Amnesia, os Swans entram de novo e com mais força do que antes no experimentalismo, contrastando com The Great Annihilator (1995) que é considerado um dos álbuns mais acessíveis da banda.
Em 1996, Gira decide terminar com os Swans com um último álbum e uma tour mundial, o resultado foi o álbum duplo Soundtracks For The Blind que é uma outra reviravolta na sonoridade da banda, com ambientes dark e post-industriais e considerado um dos pontos altos da carreira da banda.
“Swans are Dead” de 1998 traz ao público os registos das Tours entre 95 e 97.


Depois da dissolução oficial dos Swans, Michael Gira forma os Angels of Light; por sua vez Jarboe continua o seu trabalho a solo.
No inicio deste mês, Janeiro 2010, é colocada na página do Myspace da banda a informação "SWANS ARE NOT DEAD”, afirmação esta que marca o regresso da banda ao activo. Pouco tempo depois agendam uma tour nos Estados Unidos e Europa, sendo mesmo cabeças-de-cartaz do Supersonic Festival em Birmingham, Inglaterra em Outubro de 2010. No mês anterior, a 23 de Setembro a banda lançava um novo álbum intitulado “My Father Will Guide Me Up a Rope to the Sky”.


Discografia







Swans
(EP - 1982)
Swans EP
Filth (LP/CD - 1983)
Cop (LP 1984) Swans Cop
Young God (EP - 1984)
Time Bastard (Maxi -1986)
Greed (LP - 1986) Swans Greed
Public Castration Is A Good Idea (2LP/CD - 1986) Swans Public Castration Is A Good Idea
A Screw (Maxi -1986)
Holy Money (LP -1986) Swans Holy Money
New Mind (Maxi -1987)
Children Of God 2LP/CD (1987) Swans Children Of God
Feel Good Now (2LP/CD -1988)
Love Will Tear Us Apart (Maxi/CDSingle - 1988) Swans Love will tear us apart
Saved (Maxi/CDSingle 1989)
Can't Find My Way Home (Maxi/CDSingle 1989)
The Burning World (LP/CD - 1989)
Anonymous Bodies In An Empty Room (LP/CD - 1990)
White Light From The Mouth of Infinity (2LP/CD - 1991) Swans White Light From The Mouth of Infinity
Body To Body, Job To Job (CD - 1991)
Real Love (CD 1992)
Love of Life (LP/CD - 1992) Swans Love Of Life
Love Of Life (Maxi/CDSingle - 1992)
Omniscience (CD 1992)
Kill The Child (CD 1992)
Celebrity Lifestyle (CDSingle 1994)
The Great Annihilator (2LP/CD - 1995)
Die Tur Ist Zu (CD  -1996)
Soundtracks For The Blind  (2CD - 1996) swans Soundtracks For The Blind
Failure (10" -1996)
Children Of God/World Of Skin (2CD - 1997)
I Am The Sun (Maxi - 1997)
Swans Are Dead  (2CD - 1998)
My Father Will Guide Me Up a Rope to the Sky (CD - 2010)


Série: Skin/World Of Skin







Blood,Women, Roses (LP/CD  - 1987)
1000 Years (Maxi - 1987)
Girl (Come Out) (Maxi - 1987)
Shame, Humilty, Revenge (LP/CD 1988)
World Of Skin (2LP/CD 1988)

10 Songs For Another World (LP/CD 1990)


Compilações







Cop / Young God / Greed / Holy Money (2CD - 1999)
Various Failures 1988-1993 (2CD - 1999)
Filth / Body To Body, Job To Job  (2CD - 2000)
Forever Burned (compilation) (CDR - 2003)

Enviar um comentário

  ©

Back to TOP