terça-feira, 28 de agosto de 2012

VNV Nation em Leiria



Foi com muita expetativa que aguardei por esta segunda passagem dos VNV Nation pelo nosso país. Depois de um concerto grandioso no Hard Club, Porto, em 2005, a banda regressou a Portugal para encerrar em grande estilo a edição do Entremuralhas deste ano. Esperava-se a apresentação do novo álbum, assim como alguns dos hits atigos.

 A atuação tinha o seu início previsto para as 1.30 horas, e entraram pouco passava dessa hora, mas que deverá ter sido o suficiente para que não tocassem o Kingdom, pois às 3 horas o concerto teria que estar terminado. Após uma pequena intro, as hostilidades abriram com o poderoso Chrome, uma das 2 faixas tocadas do Matter + Form de 2005 (o Perpetual foi deixada para o encerramento).
 
 
Seguiu-se um dos temas mais “orelhudos” do novo álbum, Space & time, pondo logo toda a audiência a dançar. Aliás, a apresentação do novo álbum foi centrada precisamente nas musicas que mais rapidamente entraram no goto dos fans, nomeadamente o poderoso Control e a balada Nova, a qual nos remete para faixas como Beloved, Illusion ou Perpetual, e que curiosamente (ou talvez não) fizeram parte do alinhamento.
Aliás, depois de Sentinel, do mais fraquinho álbum dos VNV Nation (Of faith, power and glory de 2009), mas que teve direito a uma versão muito bem conseguida, chega-nos um dos pontos altos do concerto, o lindíssimo Illusion. Nesta altura já a audiência estava completamente rendida à garra do Ronan Harris, e foi sem surpresa que com ele cantou, praticamente do início ao fim, esta musica, como podem ver no vídeo em baixo.
 
 
Foi então altura de revisitar os álbum Empires de 1999 e Futureperfect de 2002, com duas das faixas que catapultaram os VNV Nation para o sucesso, o single Standing, e Epicentre, e que vão permanecendo no alinhamento dos concertos da banda, pois são sempre sucesso garantido.
Depois de terem regressado aos últimos álbuns, com The great divide e Nemesis, seguiu-se o segundo ponto alto da noite, com aquela que para muitos é considerada a melhor faixa da banda, e como tal, imperdível em qualquer concerto dos VNV Nation. Confiram no vídeo seguinte a verdadeira força que é o Electronaut.
 
 
Só ao fim de quase 1 hora é que regressamos então ao novo álbum, com Resolution e o Control. Reconheço que a faixa Control não é de longe uma das minhas preferidas, mas a versão que tocaram no concerto foi simplesmente arrasadora.
Estava então previsto uma pequena pausa, a que se seguiria o encore. No entanto, como o tempo já estava no limite (a atuação teria que acabar às 3.00 horas), a banda optou por dispensar a pausa para o encore e passou de seguida para a sequência final, que incluía “apenas” o Nova, Beloved e Perpetual e que teve o mérito de nos deixar completamente arrebatados, como podem verificar no vídeo seguinte.
 
Dada a condicionate do concerto ter hora marcada para terminar, dificlmente poderia ter sido melhor. Poderão ter faltado hits como o Honour, Kingdom, Solitary ou Fearless, mas com tão grande escolha para fazer no meio dos muitos hits da banda, julgo que o alinhamento esteve muito bem conseguido. E depois o Ronan Harris e o Mark Jackson sãoadeiras forças da natureza.
Em resumo, pode-se dizer que foi a escolha acertada para encerrar o melhor festival de música de Potugal. aguardamos agora com muita expetativa a edição do próximo ano.
 

Enviar um comentário

  ©

Back to TOP